domingo, janeiro 28

Clínica de aborto já a ser construída em Lisboa


Em entrevista ao Semanário Sol de 27 de Janeiro 2007, Yolanda Hernandez Dominguez, a administradora da famosa Clínica de Los Arcos de Badajoz, diz estar prevista a abertura da clínica em Março (a partir de 2ª feira, dia 29 a notícia estará totalmente disponivel on-line).

No desenrrolar da entrevista, ficamos a saber que a clínica não é só vocacionada para realizar abortos. A sua área de intervenção é o de todos os problemas relacionados com a ginecologia. Porém, tal como afirma a administradora, a razão principal da construção já em curso desta clínica na Av. da Liberdade em Lisboa, prende-se com o facto do aumento de portugueses a realizar abortos na clínica em Badajoz.

Questionada sobre o número de abortos realizados por portugueses na clínica espanhola em Badajoz, Yolanda responde de uma forma muito evasiva, muito pouco fiável, pouco precisa... "em 2006, talvez uns 4000 casos!" Deverão, no entanto, ser bastantes para justificar o investimento. Mais nos é dito que pensam já em começar um projecto semelhante também no Porto.

Segundo diz ainda, o aborto é uma coisa fácil e nada complicada! Tudo se faz no mesmo dia! Assim como se nada fosse! Será mesmo assim? Quem já não leu e escutou testemunhos bem distintos de mães que abortaram?

O mais surpreendente é mesmo o facto de esta iniciativa ter sido de acordo com o Ministro da Saúde, Correia de Campos desde o início do projecto.

Passando a expressão, só me apetece mesmo dizer que tudo gira à volta dos cifrões. Com a benção do Ministro da Saúde, a clínica conta já com o "ovo no cú da galinha"!

Porquê tanta pressa? Se de facto o governo estivesse numa actitude de abertura, de democracia, de boa fé em toda esta consulta popular, não adiantaria já autorizações para que tais clínicas operem em Portugal. ISTO É VERGONHOSO e uma total falta de respeito pela consulta popular a que vamos ser sujeitos no próximo dia 11 de Fevereiro.

Ficamos ainda a saber que os abortos nesta clínica irão oscilar entre os 350 e 650 euros! É que o governo talvez pense que todos os casos de mulheres gravidas indesejadamente têm essas posses para fazer tal coisa... É este o preço a que chega a vida humana nas mãos dos hipócritas e dos assassinos. Quem não tem dinheiro para se prevenir comprando um anticonceptivo (e há-os a ser destribuidos de borla!) vai mesmo ter dinheiro para fazer um aborto! Vai lá, vai!!!

A julgar pelo exemplo que o Sol publica nessa mesma página de uma rapariga que se envolveu com um africano ilegal, a situação tipo de gravidez indesejada em Portugal será como o desta pobre mãe precose: juntaram-se e foi gravidez em catadupa... 3 abortos em cerca de 5 anos!

Hoje já não estão juntos... é a vida... infelizmente! São em situações como esta que o governo quer fazer o papel de Pilatos: lavar as mãos de todas e quaisquer responsabilidades - liberdade q.b. para abortar à vontade até às 10 semanas!

E não me venham com a "treta" de que estou a ser demagógico, que não há propostas de alternativas... veja o post anterior sobre o movimento "Juntos pela Vida"!

Meus amigos... a panela está já toda feita. São os cifrões que comandam a vida humana! Ao que tu chegaste, ser humano!

Como diriam os nossos amigos ingleses: SHAME ON YOU!

Etiquetas: ,

5 Comments:

At 28 janeiro, 2007 20:44, Anonymous lurdesfrias said...

Infelizmente, é o governo que temos.O dinheiro que estão a gastar e que vão gastar(sim, porque segundo o 1º Ministro e o Ministro da Saúde, nenhuma mulher que queira abortar o írá deixar de fazer por falta de dinheiro, quer em hospitais públicos, quer nas clínicas privadas subsidiadas)seria muito útil no apoio aos mais desfavorecidos. O que é mais ridículo, é que se aumentem as taxas moderadoras, que se paguem os internamentos(como se fosse por capricho que uma pessoa fica internada), etc, porque não há dinheiro para a Saúde(nem para tantas outras coisas)e haja dinheiro para fomentar a Morte. Num país cada vez mais envelhecido, em vez de se incentivar o nascimento, é o que se vê...É uma vergonha.Os defensores do Sim continuam a tentar ludibriar as pessoas sempre com a "treta" do aborto clandestino, da despenalização, etc. E a vida do inocente que é deitada fora? Não conta? Uma tristeza...Lutemos com todas as nossas forças, para Defender "com unhas e dentes", a Vida Humana. Deus nos ajude.

 
At 28 janeiro, 2007 23:36, Blogger Filipe Resende said...

Encontrei um texto que completa o meu post. Trata-se da resposta à pergunta que fiz no post sobre a actuação dos defensores do SIM desde o último referendo. Sim, parece que fizeram alguma coisa... leia-se!

Crime sem castigo
O aborto em Portugal sempre foi um crime sem castigo. Isto tem a ver com a idiossincrasia própria do povo português e pela convicção generalizada que a este tipo de práticas se deve opor uma censura moral mais do que qualquer sanção penal.

Não se pense que este estado de coisas vem do 25 de Abril. É anterior e acentuou-se de uma forma muito clara da revolução para cá.

Foi, uma jogada de mestre, dos defensores do sim terem conseguido que o ministério público a começasse a levantar processos-crime depois do Não ter saído vencedor do referendo de 98. Com todo o circo que isso criou de escutas telefónicas, detenções em directo, julgamentos cheios, servindo o intuito claro de chocar a opinião pública que, evidentemente, ficou chocada por se criminalizar um costume que até então ninguém ousara criminalizar.

A resposta óbvia a esta situação seria retirar da lei a pena - a um crime que na prática nunca teve sanção - nunca permitir que o Estado retire, a uma decisão desta natureza, qualquer causa que a justifique.

Políticos em manifestações à porta dos tribunais, barcos ao largo da costa, ministros a asneirar e procuradores a incendiar, tudo concorreu para que hoje a luta pela despenalização desta prática e pela continuação das causas seja quase uma missão impossível. Mesmo assim, vale a pena.

Obrigado Andreia Neves, www.assimnao.org

 
At 04 fevereiro, 2007 20:10, Anonymous marina pereira said...

agora diga-me lá senhor Padre se não concorda comigo, que antes de andarmos com estas questões todas de aborto, não se deveria pensar primeiro em fechar as clinicas clandestinas, e o Governo não venha dizer que não sabe onde é, porque se procurasse um bocadinho, encontráva-as bem á luz do dia. Enfim...é o governo que temos

 
At 05 fevereiro, 2007 01:19, Blogger Filipe Resende said...

Sim Marina Pereira! Plenamente de acordo! Só que sabes que mais? Dá mais trabalho... hoje como hoje é mais fácil "permitir"(o aborto) do que "concertar" e "proibir". É que permitindo (o aborto) somos vistos como bonzinhos, modernos e moderados. O que em inglês se chama "fence seaters", ou seja, que nem caem para um lado nem para outro para ir ao encontro de todos!
Proibir é mais chato, mais antiquado e não cai tão bem no coração das pessoas.
É claro que sabem quem e onde se fazem os abortos clandestinos! Mas... esse argumento é para empatar o leitor, o povinho! Além disso iria estragar o negócio sujo de que muitos políticos e governantes são também benefiários, pois acabam por lhe fechar os olhos! É bem mais fácil permitir... definitivamente!

 
At 20 novembro, 2009 07:13, Anonymous Anónimo said...

intiresno muito, obrigado

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home