terça-feira, abril 10

Imagens por mil palavras

Car@s Amig@s:
Já lá vai muito tempo desde os meus últimos "posts" no "Mungu ni Upendo"... Certamente que seja qual for a altura, é sempre bom voltar aqui para partilhar convosco. Mas... Páscoa, tempo de festejar a ressurreição de Jesus é um tempo ainda mais apropriado para "ressuscitar" o Mungu ni Upendo!
Deixo-vos de seguida algumas fotos das celebrações pascais que celebrei com os cristãos Pokot.

Quinta Feira Santa
Previstas as celebrações da última ceia... Mas, devido a uma celebração na escola da capela onde celebrei o tríduo pascal, as celebrações litúrgicas foram substituídas por discursos finais dos políticos presentes na celebração da escola... é que começaram pelas 6 da tarde e terminaram às 11 da noite! Sorte deles que tinha levado o gerador e gambiarras de lâmpadas para a celebração... serviu para outro efeito de qualquer dos modos!!!

Sexta Feira Santa
Celebração da Adoração da Cruz e Via Sacra na nossa capela de Kodich. Muitos jovens estudantes. À noite, já até às 11 da noite, o projectar do filme de Jesus atraiu mais de 350 pessoas! As imagens têm mais sucesso do que um sermão!

Na nossa capela de Kodich

Adoração da Cruz

Via Sacra no recinto da Escola de Kodich

Via Sacra


Sábado Santo - Vigília Pascal
De novo no Salão polivalente da escola de Kodich com mais de 300 pessoas. Viveu-se muito intensamente esta celebração onde 15 jovens receberam o baptismo. A vigília entrou pela noite dentro com ainda a projecção de um filme sobre S. Pedro e os primeiros cristãos depois da Ressurreição de Jesus.

Vigília Pascal durante a recitação do Precónio Pascal

No Salão Polivalente da Escola de Kodich durante a Vigília Pascal

Domingo de Páscoa
Presidi à celebração em Kacheliba, o centro da paróquia. Muita cor, uma alegria contagiante e mais 13 jovens que receberam o baptismo. Jovens que são oriundos das capelas mais próximas de Kacheliba. Todos os adolescentes e jovens que receberam o baptismo terminaram um curso de catequeses de 2 anos! Oramos por todos eles e elas para que sejam cristãos convictos no coração e na acção!

Início da Missa do dia de Páscoa com acólitos e Infância Missionária
Baptismos
Administração do Óleo do Crisma depois do Baptismo
Aspecto do Grupo Coral e Assembleia
Celebração Eucarística

OBRIGADO A TODOS PELAS VOSSAS ORAÇÕES!
VALE A PENA DOAR A VIDA PELA MISSÃO

Etiquetas: , , , , , ,

A “Ressurreição” da Helena Chebet

Adolescentes Pokot depois da circuncisão

A Helena Chebet é uma menina Pökot com 13 anos. Em Janeiro passado, no início do ano lectivo no Quénia, entrou para o oitavo e ultimo ano da escola primária. Devido às condições difíceis das terras Pökot, os estudantes dos dois últimos anos da primária estudam em regime de internato. Em meados de Fevereiro, foi enviada a casa para recolher cerca de 6 euros para poder efectuar o registo no exame nacional da escola primária. Passou 1 semana, passaram 2 semanas, passou 1 mês e a Helena não regressava à escola.

Mães Pokot durante a cerimónia da circuncisão


Retida para ser casada

Esta é uma situação mais comum do que seria desejável em Pökot. Os seus pais retiveram-na na sua boma (palavra swahili para designar casa da família). Preparavam-na para ser a terceira mulher de um dos amigos do seu pai, um homem com uma idade acima dos 50 anos de idade. Para poder ser dada em casamento, deve primeiro ser submetida à circuncisão. Esta tradição está muito enraizada nesta cultura Pökot, mesmo que proibida pela lei do país. Trata-se da excisão do clitóris e dos lábios maiores das partes genitais da mulher. É efectivamente chamada “mutilação genital feminina”. Depois de ser circuncidada, a Helena seria entregue ao seu marido. Em troca, o pai da Helena receberia uma quantidade específica de vacas e cabras acordada entre o pai da Helena e o seu amigo. Normalmente, o dote pode variar entre 10 a 20 vacas e 5 a 10 cabras que são pagas ao pai da “noiva”. Obviamente que em toda esta saga, a Helena nunca disse sequer uma palavra ou emitiu qualquer opinião!


É necessário actuar depressa

Há cerca de duas semanas, foi-nos comunicado que as tentativas de resgate da Helena falhavam. Normalmente procura-se envolver os chefes locais para pôr em prática a lei. Os pais não podem reter e retirar as suas filhas da escola antes de terminar a escola primária. Parece que nem mesmo o chefe da aldeia estava a fazer bem o seu papel. Daí que decidimos apresentar o caso à polícia local. No dia seguinte, sábado, logo pela manhã decidimos visitar a boma e tentar resgatar a Helena. Comigo ia o chefe da polícia, a directora da escola onde a Helena estuda e a Irmã Cyprian, sua professora e irmã missionária aqui em Kacheliba.

Adolescente Pokot circuncidada e a mãe


Boas notícias

À nossa chegada não encontramos ninguém na boma à parte dos 2 ou 3 filhotes mais novos, irmãos da Helena. Tudo nos fazia parecer que foram avisados antes da nossa chegada. Ter-se-ao escondido e desaparecido de casa à pressa. Procuramos perguntar pela Helena. Não havia lugar onde poderia a encontrar. E os vizinhos tão pouco pareciam querer colaborar. Regressámos de mãos a abanar. Mas nem tudo eram más notícias: a Helena estava ainda em casa. Não tinha ainda sido circuncidada nem entregue ao seu marido. Mas o tempo não jogava a nosso favor... Sabendo que tínhamos procurado a Helena, os seus pais poderiam apressar as “coisas”. Não fiquei convencido! E decidimos, regressar nesse mesmo dia já com ao anoitecer. Certamente que não esperavam que regressáramos nesse mesmo dia. E muito menos já de noite. O factor surpresa poderia jogar a nosso favor...


“Padre, pode levar a vossa menina!”

Às 8 da noite chegávamos à boma da família da Helena. De novo eu, o chefe da polícia e a Irmã. Ao entrarmos na boma, um dos irmãos mais velhos da Helena imediatamente nos recebeu parecendo agradado com a nossa chegada. “Padre, nós concordamos em que leve a vossa menina!” - disse. “Vossa menina?!” – perguntei admirado. É que a ideia é que uma vez que a Helena é apoiada nos estudos pela nossa paróquia de Kacheliba, a Helena passou a ser “nossa” da missão! Respirei fundo ao saber que o pai não estava em casa. Com algum custo, sentámos-nos e conversámos por uma boa meia hora com os familiares e os vizinhos. Tentávamos explicar que a Helena tem o direito de terminar a escola primária e que não pode ser impedida de receber a sua educação desta forma. Aí, foi-nos dita a razão pela qual o pai queria “casar” a Helena: queria uma terceira mulher para ele! Ao conseguir os animais do dote da Helena, teria o suficiente para uma terceira mulher!

Adolescentes Pokot circuncidadas


“Voltei a sentir gosto por viver!”

Conseguimos regressar com a Helena nessa noite. No regresso, a Helena disse-nos que a sua entrega ao que viria a ser seu marido estava programada para daí a dois dias. Tudo estava programado! A Helena não se cansava de nos agradecer: “Via a minha vida já sem sentido...” – disse. “Eu quero terminar a escola primária e fazer os meus estudos, mas os meus pais só pensavam nos animais que poderiam receber ao entregar-me ao amigo do meu pai! Sinto que agora a minha vida voltou a ter sentido!”

No dia seguinte, domingo, celebrei a missa nessa capela. No final da missa, o pai da Helena quis tirar satisfações, tendo mesmo ameaçado um dos locais que nos ajudou a chegar à boma da Helena. Estava muito zangado o pai da Helena. Estava surpreendido, pois este senhor tinha mesmo sido um pastor local da Igreja Luterana... quando tomou a segunda mulher teve que deixar esse serviço na sua Igreja. Como pode alguém ter até sido pastor protestante, com alguns estudos e ainda assim comportar-se deste modo? Toda a comunidade local o condenou pela sua maneira de actuar. Se continuar assim a proceder, certamente que será aplicada a lei e poderá mesmo ser preso por contrariar a disposto na lei em defesa das crianças. A Helena está agora em segurança aqui na missão, pois nem mesmo nas férias poderá regressar a casa. O risco de ser de imediatamente tomada para ser casada é grande...

Adolescente Pokot em recobro dentro da cabana logo após ter sido circuncidada


Para mim, toda esta saga, e sobretudo as palavras da Helena, ajudam-me a entender como a Ressurreição de Jesus continua a acontecer hoje, e concretamente também aqui em Pökot. A Helena sentia que a sua vida tinha perdido todo o sentido, já não valia sequer a pena viver. Agora ela voltou à Vida, voltou a sorrir e a sentir que vale a pena viver. Tal como o escreve S. João, Jesus veio para que tenhamos vida e vida em abundância (Jo. 10,10). Também aqui essa Vida e essa Vida Nova da Sua Ressurreição continua a acontecer!

Os anciãos Pokot que procuram manter tradições intactas como a circuncisão...

Etiquetas: , , , , , , ,

quinta-feira, outubro 13

Car@s Amig@s:

Um abraço desde terras Pökot, Kacheliba – Quénia, Africa!

Partilho convosco uma actividade levada a cabo pelo grupo de Jovens Utrilho. Se puderes participa! Se não puderes, partilha com os teus contactos! Se não puderes partilhar com os teus contactos... REZA por esta realidade!

Um abraço amigo!

Por favor lê o texto que vai abaixo. LÊ – MEDITA – DECIDE – ACTUA!

“O Grupo de Jovens U’Trilho de Nogueira do Cravo, concelho de Oliveira de Azeméis, decidiu colocar em acção a palavra Missão. Está a lançar um projecto intitulado “Um Sonho de Menina” que está directamente relacionado com o trabalho missionário do Pe. Filipe Resende – Missionário Comboniano no Quénia.

PROGRAMA:

Dia 14 de Outubro, sexta-feira – 21:00h – Concerto Solidário – Local: Casa do Cruzeiro de Cesar – “Banda Missio” e “Jovens in Missio”

Dia 15 de Outubro, sábado – 21:00h – Colóquio “Um Sonho de Menina” com a participação especial da Jornalista da TVI Conceição Queiroz – Local: Salão Paroquial de Nogueira do Cravo

Dia 16 de Outubro, domingo – 15:30h – Filme “Flor do Deserto” – Local: Salão Nobre da Junta de Freguesia de Nogueira do Cravo

Dia 14, 15 e 16 de Outubro – Exposição Permanente de Quadros Relacionados com a problemática e a construção da Escola – Local: Salão Nobre da Junta de Freguesia de Nogueira do Cravo

Após tomarmos conhecimento da grave problemática que atinge vários pontos do mundo, inclusive o local de missão do nosso conterrâneo, não pudemos ficar impunes a esta atroz prática cultural/religiosa que é praticada essencialmente por pessoas de culturas africanas, a Mutilação Genital Feminina.

Dado este facto, abraçamos esta causa, mostrando o projecto da construção de uma Escola Secundária Feminina “Holy Trinity Girls Secondary School”. Esta escola surge com o intuito de educar e formar as raparigas de Kacheliba (Pökot Norte – Quénia), para que percebam todas as consequências que advêm desta prática.

Visto isto convidamo-vos a participar no nosso projecto, para que possam perceber esta realidade, e se sinta como parte integrante de uma comunidade activa no combate à mesma. Refira-se ao programa acima apresentado.

Por último, alimenta-se a esperança que a sensação de desconforto que este projecto transmite a cada um de nós se possa metamorfosear em capacidade de pressionar a mudança. Capacidade tão mais desejável quanto maior for o exercício da nossa liberdade e cidadania.

A vossa colaboração na divulgação deste projecto é essencial para o sucesso do mesmo. Assim, agradecemos que, numa primeira fase, divulguem o projecto e, posteriormente, se for do vosso interesse façam uma cobertura do mesmo.

Sem mais de momento, e esperando que amavelmente compareçam e nos apoiem, apresentamos os nossos melhores cumprimentos.

GRUPO DE JOVENS U’TRILHO

domingo, abril 24

Acreditar na Ressurreição pode ser muito simples!

O tempo de Quaresma, e sobretudo a preparação próxima à Páscoa na missão, é sempre cheia de actividades. Numa dessas actividades as lágrimas vieram-me aos olhos. Ao passar o filme sobre a vida de Jesus aos catecúmenos, fui surpreendido por uma expressão de regozijo dos catecúmenos ao verem Jesus Ressuscitado. Expressaram-se com um bater de palmas espontâneo e comovente ao ver Jesus ressuscitado
aparecer aos discípulos depois da sua paixão e morte. Afinal, sem muitas explicações e sem muitas teorias biblicas e teológicas, estes catecúmenos fizeram-me ver que pode ser realmente muito simples acreditar na Ressurreição de Jesus...

P. Filipe com estudantes catecúmenos

Finalmente... o dia do meu baptismo

Ao aproximar-se o Domingo da Ressurreição de Jesus, são muitas as actividades na missão de Kacheliba. Uma das actividades é o curso de formação final para os catecúmenos. Realizou-se na semana passada em 3 locais da nossa (extensa!) paróquia. Aqui no centro da missão cerca de 80 adolescentes e jovens receberam as últimas instruções preparatórias para o Baptismo. Ao todo, em toda a paróquia, são mais de 170 adolescentes, jovens e adultos que serão baptizados neste tempo Pascal. Estes catecúmenos finalizaram um programa de catequeses de 2 anos e vêem agora o dia do seu baptismo chegar. É grande a alegria estampada no rosto de muitos destes catecúmenos... percebe-se que receber o Baptismo significa algo importante para as suas vidas.

Algumas das adolescentes catecúmenas

Junto dos que ainda não O conhecem

O meu tríduo Pascal este ano foi realizado numa das nossas capelas mais antigas da Missão chamada Kodich. Fica a uns 30km norte do centro Kacheliba. Ali tínhamos um grupo de 48 catecúmenos no curso final de preparação para o Baptismo. Desde 4ª feira até sábado receberam as últimas catequeses. Na 5ª feira santa presidi à Última Ceia do Senhor e 4 adolescentes receberam a comunhão pela primeira vez. Tinham sido baptizados quando eram bebés. Obviamente que antes da celebração receberam o sacramento da Reconciliação (pobremente apenas conhecido como “confissão” por muitos!). Um deles, um jovem já crescido, não comunicava sequer em swahili. Só mesmo a língua local Pökot. Já imaginam... eu já “pesco” umas coisas da língua local, mas escutar a sua confissão foi de facto um acto de fé da minha parte! Aliás, não é a primeira vez que isso me acontece.

Depois da celebração passamos o filme sobre a vida de Jesus ao ar livre. São muitas as pessoas, cristãos e não cristãos, que comparecem. Claro que a electricidade essa só mesmo com o gerador. Mas... (in)felizmente passada cerca de 1 hora chegou uma surpresa: a chuva! Chuva aqui é sempre uma benção até porque este ano ainda não tinha chovido. Porém... toda a aldeia em peso teve que “fugir”. E a chuva, sempre tão abençoada nestas paragens, acabou por estragar a “festa”. Mas havia mais no dia seguinte...

Estudantes da escola primária para raparigas de Kacheliba

Na sexta feira santa a celebração da adoração da Cruz começou às 3 da tarde. Pelo meio a Via Sacra que foi percorrida nas ruas da aldeia. E que forma mais eficaz de anunciar a Morte e Ressurreição de Jesus. No regreso à capela eramos já quatro vezes mais pessoas na capela! Seguiu-se o filme da paixão de Cristo. Desta vez fomos acolhidos no salão da escola primária recentemente construído. Veio de novo a chuva mas desta vez estavamos bem acolhidos. Vários cristãos me disseram que nessa noite não ficou ninguém em casa em toda a aldeia. Não os contei mas deveriam ser seguramente mais de 300 pessoas!

O sábado Santo foi o culminar das celebrações... sempre muito adaptadas à realidade local pois claro! 15 baptismos: 10 adolescentes e 5 mulheres adultas. Confesso que a alegria, a concentração e a profundidade de alguns destes neófitos deixaram no meu coração um sentimento de que Deus toca de verdade a vida destas pessoas. Mas nem as quase 5 horas de celebração cansaram esta gente. O filme desta vez foi sobre S. Pedro e os primeiros cristãos após a ressurreição de Jesus. Foi pena que quase a acabar o filme o meu gerador ficou sem “zagolina”! Nada a fazer... ainda assim já cheguei a casa quase às 3 da manhã – contente por Deus me dar a oportunidade de ser sua testemunha da Ressurreição junto deste povo.

P. Filipe de visita a uma escola debaixo da árvore numa das nossas capelas

Liturgias mais ou menos litúrgicas

Devo confessar que as liturgías entre este povo que apenas começa a conhecer Jesus, são tudo menos “ao pé da letra e da rúbrica”! O silêncio, parte tão fundamental da litúrgia para a assimilação do que se celebra é algo que aqui fica um pouco de lado. Para o Pökot tudo o que se relaciona com Töroröt (Deus para este povo) significa entrar na esfera da celebração. Não quer isto dizer que as celebrações deixam de ser menos vividas, menos sentidas. São apenas e essencialmente diferentes. São o espaço de expressão alegre do que acreditam desde há séculos. São sentimentos tradicionais depois trazidos para a liturgia cristã. Com mais ou menos silêncio, com mais ou menos incenso, com mais ou menos ordem e regras litúrgicas, a Ressurreição de Jesus entrou já na vida e no coração de vários cristãos Pökot. É a força da Vida, da Boa Nova da Ressurreição que renova e faz novas todas as coisas em Cristo.

Um dos nossos catequistas anciãos com a sua esposa na sua "boma" (lar)

Desejo-vos a todos uma Santa Páscoa, cheia de significado e profundidade para a luta de cada dia da vossa vida. É lá que o valor da Vida e Ressurreição de Jesus fazem sentido! É lá que Ele quer ser o Caminho, a Verdade e a Vida. Afinal de contas... até porque parece que é de facto muito simples acreditar na Ressurreição de Jesus! SANTA E FELIZ PÁSCOA!

Etiquetas: , , , , , , , ,

sexta-feira, dezembro 24

Pureza de Natal


"Obrigado, P. Filipe! Este bocadinho de açucar e arroz vai dar-nos um Natal bonito lá em casa!"
Esta foi a resposta dada por algumas das pessoas que trabalham connosco na Missão. Agradeciam o tradicional "zawadi ya Krismasi" (lembrança de Natal) que costumamos oferecer-lhes.
Que alegria mais pura! Que pureza do verdadeiro sentido de Natal: o pouco, o simples, o humilde que traz uma enorme alegria e faz sorrir quem assim recebe.

Mais uma vez, uma lição grande para mim. Estas palavras e atitudes fazem-me voltar às origens. Fazem-me pensar naquele Menino Salvador que muito poucos reconheceram. Pobre - sem ter onde nascer em condições apropriadas; simples - sem grandes anúncios, sem grandes festas; só os pastores, a "escumalha" do povo de Israel, conseguiu olhar mais profundo e perceber que naquele Menino simples, pobre e humilde, nascia a Alegria maior que o mundo jamais acolheu!

São os gestos desta gente simples, pura e humilde que hoje me ensinaram a olhar mais profundo no que realmente significa celebrar a verdadeira alegria do Natal. Sem mesas recheadas de doces e requintadas refeições, sem luzinhas na árvore de Natal, sem os múltiplos anúncios natalícios que encharcam os nossos ouvidos e olhos, sem o corre-corre das prendas e lembranças...
Se me perguntam se sem tudo isso pode haver Natal... pois eu digo que sim! Precisamente porque este sentido do Natal, simples mas cheio de alegria, é aquele que me enche a vida e o coração.

Fica aqui a partilha de um texto que foi publicado na Agência Ecclesia há 2 dias em que descrevo como vivo o Natal em Pokot. Clique aqui.

A Todos um Santo e Feliz Natal, cheio da Alegria simples, pobre e humilde que é aquela que traz verdadeiro sentido à nossa vida!
Que Deus vos abençoe com um ano de 2010 cheio da Sua Paz.


Etiquetas: , , , , , , ,

segunda-feira, novembro 29

A missão de Kacheliba

Amigos, finalmente, depois de 2 anos na missão de Kacheliba, aqui fica um pequeno documentário sobre a Missão de Kacheliba onde trabalho desde 2008. Este documentário já foi realizado há bastante tempo mas só agora me foi possível disponibiliza-lo online. Espero que disfrutem e que gostem e sobretudo os ajude a viver a Missão de uma forma mais próxima, mais empenhada e dedicada. Eu sei que rezam por nós! Mungu awabariki wote! (Deus vos abençõe a todos)

video

Mensagem à minha paróquia

Regressando ao Quénia, enviei esta pequena mensagem à minha paróquia de Nogueira do Cravo. Linda a coincidência de regressar à Missão no Quénia na ocasião do Dia Mundial das Missões 2010. Tudo de bom a todos e uma vez mais muito obrigado! Deus vos abençõe a todos!

video

Etiquetas: , , , , , , ,

sexta-feira, outubro 22

Retornar Revivendo a Missão

É verdade! É verdade! Foi muito tempo sem dar notícias por estas bandas... eu bem o sei! E, porque não me queda de outra, não posso mais fazer do que pedir desculpa a todos aqueles que têm visitado este cantinho do Amor de Deus na minha vida sem encontrar novidades. E não é que não as hajam... muito pelo contrário!

Momentos importantes na vida familiar
Muitos já saberão... estive em Portugal de férias desde meados de Agosto até meados de Outubro. Razão: o matrimónio do meu irmão Nuno com a minha cunhada Sofia. Momentos em que o amor de Deus se faz mais visível através do amor humano.
E logo na chegada fiquei surpreendido pelo carinho e amor que os paroquianos de Nogueira do Cravo quiseram expressar comigo. Confesso que não estava nada à espera. Fiquei desengonçado... desajeitado... fora de onda! Ainda mais quando estava a chegar de cerca de 15 horas de viagem... mas é assim que Deus mostra o seu amor e carinho por nós. Foi tudo muito inesperado para mim. Mas é assim que Deus, de vez em quando, nos faz umas carícias.

video

Momento da chegada à paróquia

Tempo de muita comunhão e sentido de missão
Durante estes dois ultimos meses foram muitos os testemunhos de pessoas que me falavam de um carinho e compromisso muito grande à missão. Não a mim... não! À missão pois ela é a que fala mais alto.
Foram também dois meses de intensos e renovadores encontros. Desde logo a celebração do matrimónio entre o meu irmão e a minha cunhada. Foi um dos momentos mais bonitos e profundos que jamais senti na minha vida sacerdotal e missionária: ser instrumento de Deus para que Ele, e não eu, mas Ele, abençoasse aquele amor que d'Ele nasceu no coração destes dois seus amigos, que no fundo são sangue do meu sangue!
Celebrações de baptismos que tinham até sido já marcados antes dos meninos nascerem...
Visitas a e de amigos que o tempo não apaga...
Encontros missionários mais programados ou nem tanto assim... Festa Missionária na Maia, encontro Jamborii dos Escuteiros de Nogueira do Cravo... enfim... um sem número de momentos de partilha missionária.
Mas apesar de tudo, sentir e presentir que esse Deus de Amor Incondicional continua a actuar na vida de tantos amigos e amigas, familiares, juventude... são tantos esses sinais! Obrigado a todos e em especial a um grupo muito bonito que sempre vive a missão com o coração - UTrilho!!!! Sois de facto espectaculares!

O regresso de coração cheio e também preocupado
Não foi fácil regressar aqui onde Deus me chama... por um lado a alegria de voltar para o meio daqueles que são os que Deus escolheu para eu crescer na fé junto deles; por outro lado várias situações de doenças e complicações da vida de alguns familiares e amigos... Situações que continuam no meu coração e nas minhas orações. Mas a vida é assim mesmo... e também a missionária não foge à regra! Muitos foram aqueles que não pude visitar como desejaria, como seria bom... mas ainda assim sei que nunca nós missionários estamos sós! Somos apenas e tão simplesmente servos inúteis (mesmo que felizes!) d'Aquele que nos envia.

A todos o meu bem-haja! Não há palavras para poder expressar tanto carinho, tanta proximidade, tanto amor para comigo e para com a missão. Agora é regressar ao dia a dia da Missão sempre com os seus grandes desafios, as também com todas as bençãos de Deus... essas bila shaka (swahili para "de certeza") nunca faltarão!

Um bom domingo do Dia Mundial das Missões 2010... Até breve já por terras Pokot!

Etiquetas: , , , , ,

segunda-feira, junho 14

Mundial ao Contrário

Este apelo foi traduzido do sítio das Missionárias Combonianas Combonifem. É um apelo enviado à embaixadora da Africa do Sul na Itália, tendo como primeiro assinante o P. Alex Zanotelli, missionário comboniano, a favor dos pobres na África do Sul e dos movimentos que procuram defender os seus direitos. A campanha pretende recolher o máximo de assinaturas até ao dia 20 de Junho.Este apelo foi traduzido do sítio das Missionárias Combonianas Combonifem. É um apelo enviado à embaixadora da Africa do Sul na Itália, tendo como primeiro assinante o P. Alex Zanotelli, missionário comboniano, a favor dos pobres na África do Sul e dos movimentos que procuram defender os seus direitos. A campanha pretende recolher o máximo de assinaturas até ao dia 20 de Junho.

Etiquetas: , ,