terça-feira, agosto 8

Protocolo

A CADEIRA DO CARDEAL

Proponho-vos um texto do meu amigo www.jirenna.blogspot.com


No re-arranjo do quem é quem na hierarquia da República, o Parlamento deixou de fora a cadeira do cardeal.
A Lei do Protocolo de Estado causou alguma polémica (sobretudo à direita), mas acabou por fazer um favor ao purpurado: as cerimónias de Estados são um desfile de vacuidades que exige grandes doses de paciência e estoicismo.Num encontro com a imprensa, alguém perguntou a Dom Carlos Azevedo como é que a Igreja ia ripostar. A resposta do bispo auxiliar de Lisboa foi fina: «A Igreja é fidalga no receber!»Chegou a altura, contudo, de arrumar o protocolo eclesial. Os políticos e as altas individualidades locais gostam de aparecer e ser reconhecidos nos actos da Igreja.
Nos Açores, o Governo Regional faz inclusivamente uma escala para distribuir os secretários – os ministros da região – pelas procissões do arquipélago. Conheci o secretário regional da educação na festa do Salvador do Mundo, na paróquia da Ribeirinha, Ribeira Grande.É costume o presidente da Eucaristia começar a missa ou a homilia saudando os dignitários pelo nome. Mas a missa é uma celebração de irmãos e irmãs à volta da mesa comum: a mesa da Palavra e a mesa do Paõ e do Vinho.
Por isso, é um imperativo teológico acabar com os lugares e saudações especiais nos actos litúrgicos. Pela autenticidade das celebrações. Porque à volta do altar somos todos iguais, todos comensais!

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home