domingo, maio 31

Começando a entrar nos esquemas… da missão!

Hoje, 24 de Maio, dia da Ascensão do Senhor, presidi e fiz a homilia em Kiswahili pela primeira vez. Celebrei duas missas. A primeira foi com os estudantes da escola internato aqui da missão, a escola primária. Começamos pelas 8.15h e depois a missa seguinte às 10,30h, ainda que a hora de começo na verdade é às 10.00h. Mas estamos em África!!!
Aspecto da celebração da missa na Missão de Kacheliba

Esta segunda missa é com as pessoas aqui de Kacheliba e ainda os alunos da escola secundária também aqui da missão. É também uma escola de internato. Muitas das escolas aqui são internatos pois as pessoas vivem muitas vezes bem longe das escolas e por isso têm que enviar os filhos para a escola e ficar em regimes de internato… no entanto as condições não são nada comparáveis aos nossos colégios internos… nem por sombras! É a necessidade que faz termos os internatos.
Senti-me de verdade muito bem. Penso que os 4 meses que foram investidos na aprendizagem da língua foram bons. Eu tive que me preparar escrevendo a homilia, pensando ler nas missas. Sim, li um pouco mas a um dado momento pus o papel de parte e fui por aí fora. Mais de acordo com gramática ou menos, o importante é que as pessoas no final da missa me disseram que entenderam bem o que quis dizer; diziam ter entendido bem a explicação do evangelho. Posso dizer-vos que sentia um pouco de medo ao começo. Não é o mesmo que o inglês ou muito menos que o Português… mas sinceramente senti que tantos os alunos como as pessoas me seguiam. Pelo menos iam respondendo também ao que lhes ia perguntando durante a homilia… Creio que este foi um primeiro passo que dei e que agora será já com mais e mais confiança. Além do mais, o kiswahili aqui do Quénia não é o kiswahili dos professores na escola da língua… é muito mais fluente e por vezes as regras gramaticais não existem… Assim que me sinto muito feliz por mais este passo na inculturação e na introdução da vida missionária.

Crianças Pokot durante uma celebração
numa das capelas... ao ar livre!

Visitas às capelas
Ao longo desta semana pude visitar com o meu colega Hubert, várias capelas bem como escolas das quais somos os “patrocinadores”, aqui dizem em inglês, sponsors! Em toda a paróquia creio que são há volta de 20 escolas primárias de quem somos “sponsors”, ou seja, foi a missão a começar as infra-estruturas. Muitas delas não têm ainda as salas de aula para os 8 anos que compõem a escola primária aqui no Quénia. As escolas sempre foram uma das grandes prioridades da missão, depois do trabalho de evangelização. Há 30 anos não existiam praticamente escolas nenhumas aqui na zona.
Na sexta-feira, dia 22 de Maio, eu e o Hubert saímos daqui da missão ao final da manhã para uma reunião numa das escolas não muito longe aqui da missão. Uns 20 minutos de carro. Porém, por causa de um grande rio que enche e é bem largo quando chove (como estes dias!) torna este lugar quase inacessível para lá chegarmos de carro. Neste dia a “estrada-picada” até não estava nada mal. A reunião começou pelas 13.30h. Era uma reunião com o representante da área do ministério da educação. Há aqui em cada escola uma espécie de Comissão Escolar, o que em Portugal seria o Conselho Pedagógico, de que fazem parte o “sponsor”, o director da escola, representantes do governo e pais. Isto parece tudo muito oficial e pomposo, mas na realidade são comissões constituídas pelas pessoas do lugar. O problema era que a anterior comissão era provisória. Numa dessas comissões, imaginem, o presidente era uma pessoa cega, um dos pais, e o tesoureiro não sabia ler nem escrever… Parece anedótico… mas era verdade! Não é que seja mau que as pessoas diminuídas fisicamente ou culturalmente façam parte destas comissões… pelo contrário, mas a preparação destas pessoas aqui não é a mesma que o mundo ocidental muitas vezes oferece. Parece que a anterior comissão conseguiu dinheiro de um fundo monetário do governo e construíram a escola com salas de aula novas. Antes a escola funcionava em apenas 2 salas de aula construídas há uns anos atrás pela missão. Muito bem! Chamaram um construtor local para o trabalho… das 8 salas de aula apenas 4 podem ser usadas pois as outras estão a ponto de cair… sem nunca terem sido usadas! A construção foi muito pobre. A reunião começou debaixo de umas árvores no terreno da escola. Nas reuniões aqui todos falam, bom… pelo menos os anciãos e os homens. As mulheres é-lhes dada voz já depois de todos terem falado e dado a sua opinião… infelizmente, pois muitas vezes são as mães as grandes interessadas na educação das crianças. A um dado momento, depois de já 3 horas de reunião, a chuva ameaçou! Fomos todos para dentro de uma sala de aula. E a reunião continuou até às 6.30 da tarde, ou seja, depois de 5 horas de reunião, foi constituída uma nova comissão escolar. Aquilo que mais me chamou a atenção é a forma como as pessoas têm a capacidade de resolver problemas entre eles… Os anciãos são de verdade pessoas cheias de experiência e muitas vezes são os grandes construtores da união entre este povo. Mas também se dão para o torto, são os principais factores de desavenças entre as pessoas… O importante é que no final todos estávamos contentes com o resultado da reunião. Este ano a escola tem apenas duas classes-anos a funcionar, muitas vezes com poucos alunos, como estes dias. Isto porque tradicionalmente os Pökot não são ainda muito abertos à educação das crianças. Muitas vezes enviam as crianças à escola pois, pelo menos na escola, geralmente, as crianças podem ter uma refeição. Apesar de que neste tempo de fome, sabemos de escolas a quem o governo não enviou comida suficiente e os alunos não têm muito para comer. Esta escola é uma delas…
Anciãos Pokot - os "juízes" locais

Também temos problemas logísticos...
Na quarta-feira anterior também tivemos uma outra reunião numa das nossas capelas. Desta vez bem mais longe daqui da missão. Mais de um hora por caminhos que só são “arranjados” quando o missionário vem para visitar a comunidade. Por fim lá chegamos. Desta vez o problema era diferente. Há 20 anos o terreno para a construção da capela foi doado ou comprado pela missão (não sabemos!). É cerca de 1 hectare. O ancião morreu há 2 anos. A sua mulher (parece que este só tinha uma ao contrário de muitos outros!) juntamente com os filhos (um deles é guarda em Mombasa… a 1200km daqui!) reclamam o terreno, ou querem apenas que o terreno da capela fique reduzida a um espaço de ¼ do hectare… Certamente que este caso é, aí em Portugal, um caso de tribunal… até porque não sabemos se há algum acordo escrito ou não deste terreno. De qualquer forma o terreno é dos cristãos desse lugar e por isso terão que ser eles também a decidir junto com os anciãos como resolver este problema. E mais uma vez, é linda a forma como as pessoas se escutam! Todos intervêm (normalmente os homens, ainda que aqui foram também as mulheres que são muitas vezes as que vêm mais à Igreja… tal como aí em Portugal!). Escutam-se, procuram clarificar coisas e por fim os anciãos são os juízes que decidem o que fazer. Até o chefe local representante do Governo nesta localidade, uma espécie de presidente da junta, está na reunião, mas são os anciãos aqueles que têm o poder tradicional de decidir. Desta vez parece que a pobre senhora e os filhos não vão conseguir muito, uma vez que os anciãos pareciam perguntar-lhes… porque é que esperaram que o velhote morresse para reclamar?!?! No entanto adiamos a decisão até uma outra reunião com eles em Agosto para procurarmos bem pelo documento ou acordo de utilização do terreno para a capela. Mais uma vez… foram os anciãos aqueles que procuram decidir as coisas. Tivemos ainda tempo de visitar a escola dessa localidade… com 8 salas de aulas, mas as paredes são feitas como as cabanas nesta área… só que com chapa de zinco por cima. Estão a planear, com a ajuda da missão e do governo, eles mesmos construir uma escola com condições mais permanentes. Veremos…
Na quinta-feira tivemos ainda outra reunião numa outra capela, junto com os cristãos e os anciãos para procurar um substituto do catequista para aquela capela… como vedes… muitas reuniões… muitas coisas até a parecer muito oficiais… mas todas debaixo da árvore… está-se melhor e mais frescos!
Anciãos Pokot durante uma celebração comunitária

Muitas pessoas não têm que comer em casa
Mas até hoje, aquilo que mais me tem chocado e até feito pensar muito é que em todos os lugares que vamos as pessoas pedem-nos ajuda. Este tempo é de facto um tempo em que muitas pessoas estão a passar fome. As últimas colheitas foram muito escassas e além do mais há já muito tempo. Todos os dias pela manhã e durante o dia temos pessoas aqui à porta a pedir ajuda. Certamente que algumas delas talvez não necessitam assim tanto, ou não querem fazer nenhum… e aí está a grande dificuldade que me parte o coração… saber quem realmente necessita. Graças a Deus tem chovido bastante e vemos que muitas pessoas têm cultivado bastante. Diz o Hubert que mais do que em outros anos. Porém, até que o milho, o centeio ou a cevada (uma espécie de cevada!) cresçam e estejam prontos para serem transformados em alimento, ainda temos os meses de Junho e Julho. As colheitas começam apenas para meados de Agosto. E digo-vos sinceramente que este tem sido o maior desafio que tenho experimentado desde que cheguei aqui à missão. Nesta semana terminei de escrever uma lista de 616 pessoas que em toda a paróquia estão necessitadas. São listas que os catequistas nos trouxeram das capelas. Não incluímos na lista toda a gente pois todas as listas tinham cerca de 2000 pessoas! Pedimos-lhes que indicassem apenas aqueles que estão mesmo necessitados por serem idosos, doentes ou incapacitados. Entregámos essa lista ao Sr. Bispo pois ele mesmo prometeu ajudar com alguns sacos de milho. Estes dias, recebemos a confirmação de que o Sr. Bispo vai enviar cerca de 100 sacos de milho, cerca de 9000kg de milho. Também nós, aqui na missão, comprámos também outros 100 sacos de milho. Ao todo são cerca de 18mil kg de milho. Iremos distribuir pelas 52 capelas 3 sacos (270kg) para serem distribuídos por aquelas pessoas necessitadas. Serão os nossos catequistas a distribuir. Ficaremos com um maior número de sacos aqui na missão pois é onde mais pessoas vêm pedir ajuda. Não é muito, mas pelo menos é um pequeno gesto que ajudará a aliviar um pouco estes tempos de dificuldade. Cada saco custa-nos cerca de 27 euros, pelo que será uma boa maquia, mas cremos que bem empregues para ajudar esta gente. Calculamos que os 200 sacos de milho possam dar para sensivelmente 55 mil refeições. Isto quer dizer que podemos alimentar cerca de 900 pessoas durante estes dois próximos meses, até às próximas colheitas, se Deus ajudar com a chuva. No entanto, este é um trabalho de distribuição sempre muito difícil… quem é que não está necessitado estes dias?!?!
Na verdade, as necessidades são muitas, e dou-me conta também que entre as pessoas mesmas, aquelas que podem e têm um pouco mais porque têm trabalho aqui no centro ou mesmo na missão, elas mesmas ajudam muitas outras pessoas. É o caso da nossa cozinheira e da cozinheira das irmãs, ou o nosso construtor, também ele africano, que todos os dias alimentam a muitas outras pessoas também… situações que de facto nos fazem pensar…
Mas como dizemos aqui em kiswahili, “Mungu atatusaidia kwa sababu anatupenda sana”, ou seja, “Deus ajudar-nos-á porque muito nos ama!”

Ugali - comida típica africana: farinha de milho
preparada aqui para o "manjar" de um casamento

E a vida na missão continua… sempre com as vossas orações amigas! Bem hajam! Sörö nyo man – Muito obrigado em língua pökot.
"Pensamentos do meu diário"
Kacheliba, 24 de Maio 2009
Festa da Ascensão do Senhor

Etiquetas: , , , , ,

2 Comments:

At 02 junho, 2009 07:44, Blogger Nuno said...

Parabéns Filipe pela tua linda e corajosa missão! Te lembramos nas nossas preces, para que consigas passar a bonita palavra de Deus pelo mundo!
Um abraço desde aqui, Familia Gomes, NGC.

 
At 09 julho, 2009 11:49, Blogger AmorcomCristo said...

Muitos Parabéns por todo o trabalho que tem desenvolvido com essas pessoas; por Deus, com Deus e em Deus!

Como alguém um dia referiu: "Nos empreendimentos de apostolado, está bem – é um dever – que consideres os teus meios terrenos (2 + 2 = 4). Mas não te esqueças – nunca! – de que tens de contar, felizmente, com outra parcela: Deus + 2 + 2..." (Caminho, 471)!

Felicidades!

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home