domingo, outubro 18

O meu Dia Mundial das Missões 2009

Como pode um missionário em pleno “terreno missionário” deixar de partilhar a sua missão no Dia Mundial das Missões? Claro que é bem mais forte do que ele…
É por isso que aqui estou de regresso. Há já muito tempo que o tempo não me dava tempo de “temperar” este espaço missionário. Aqui regresso hoje, na esperança de que esta partilha mais possa ajudar-nos a todos a viver este dia e mês missionário com um coração grande.


A capela de Lokelelian

Não… não me perdi nem estou em crise!
Sei que alguns de vós têm visitado este cantinho missionário e desde há muitas semanas que não encontram nada “de novo”. Alguns até já me escreveram a perguntar se estava bem, se ainda estava no Quénia, se tudo estava a correr bem… Outros mesmo chegaram a telefonar-me e enviar sms… A todos quero agradecer pela vossa preocupação e pelas vossas orações.
Mas de facto os últimos meses foram e têm sido de muito trabalho e também cansaço físico ao ponto de não encontrar um tempinho para partilhar convosco. Mas neste dia fiz uma promessa a mim mesmo de não falhar e… custe o custar aqui estou convosco mais uma vez.
A verdade mesmo é que me sinto muito feliz e cada vez mais integrado na realidade desta missão que Deus me confiou. Um dos meus colegas (já com 75 anos!) foi de descanso à Itália por 2 meses. Ficamos só eu e o P. Hubert. Trabalho triplicado pois claro! Graças a Deus já regressou para desanuviar um pouco o trabalho!



Lá onde o Evangelho acaba de chegar
Em toda a minha vida missionária, este foi o meu primeiro Dia Mundial das Missões que vivi como missionário em pleno “terreno missionário”, entre este meu povo querido, os Pökot. Todos os outros anos tinha-os vivido ou em Nairobi, capital deste país (durante os meus estudos de teologia) ou em Portugal, terra missionária também mas, convenhamos, de características distintas! E não podia ter sido mais bonito e realizador.
Tocou-me celebrar a Eucaristia hoje numa das nossas capelas mais recentemente abertas: Lokelelïan a escassos 2km da fronteira com o Uganda.
A capela ou a Igreja… bom… essa foi construída pelos próprios cristãos deste lugar: uns ramos de sisal servem de paredes e uns ramos já secos protegem um pouco do sol tórrido destas paragens. Cristãos propriamente ditos (baptizados) não há muitos. O facto de a poligamia ser praticada por este povo faz com que muitos “cristãos de coração” não possam receber o baptismo. No entanto, não deixam de estar presentes e de rezar cada semana nesta que é a sua Igreja.



Muitas das pessoas começaram mesmo a escutar há muito pouco tempo a Palavra de Deus e o facto de Deus se ter feito Homem em Jesus Cristo. Töroröt, como conhecem e chamam a Deus desde há séculos, esse é bem mais “conhecido”. Mas o Deus Pai de Jesus Cristo e da bíblia, esse, é ainda demasiado recente por estas terras para que mesmo os cristãos baptizados O possam conhecer verdadeiramente.

A alegria que paira no ar
Lokelelïan fica a cerca de 1h15m do centro da missão em Kacheliba. 45 minutos de 4x4 e outros 30 minutos a pé. Sim porque os últimos 6 km demoram “apenas e somente” 30 minutos a percorrer tal é o “tapete” todo o terreno que temos que atravessar. Ainda antes de chegar ao local onde deixar o carro para depois caminhar, já estavam dois cristãos à minha espera. Um mais jovem que o outro. Tinham vindo arranjar a estrada em alguns lugares para que tivéssemos menos problemas em passar. Graças a Deus, mesmo que fora de época para as colheitas, as chuvas parecem estar a chegar e tem já chovido em alguns lugares. Era o caso de Lokelelïan. Por isso todo o cuidado é pouco para não se ficar encalhado na lama.
Ainda ao longe já se escutavam as batidas dos tambores e os cantos dos cristãos que já se encontravam na capela. À chegada a alegria do costume e sempre tão renovadora e nova, distinta! Li nos rostos sorridentes e no ritmo das palmas uma alegria verdadeira e sincera pela chegada do missionário.

A missão é dar e receber
Na sua mensagem para este Dia Mundial das Missões o Papa lembrava (assim como as leituras da eucaristia de hoje) que o trabalho do seguidor de Jesus não é outro senão aquele do Serviço. E assim mesmo me senti hoje com estes cristãos amigos de Lokelelïan. Depois da celebração da missa (cerca de 2 horas), sempre cheia de vida e de alegria, entre o meu arranhado Pökot e o Kiswahili (celebramos a missa em 2 línguas, imaginem!), pela segunda vez consecutiva na visita a esta capela, é “pecado mortal” virar costas sem pelo menos tomar um chazinho à moda do Quénia. Confesso que a hospitalidade desta comunidade (como muitas outras também) ensinariam a muitos de nós, ditos civilizados, as boas maneiras de hospedagem. É a “boma” (conjunto de várias cabanas onde a família Pökot vive) da Mama Lilian, uma das primeiras cristãs desta comunidade. Um sorriso sempre lindo e acolhedor. Uma profundidade no seu olhar sereno e confiante. Eu até estava com um pouco de pressa para regressar à missão, mas de nada me valeu… depois do chazinho (também partilhado com os outros cristãos) presentearam-me com uma garrafa de Sprite, algo bem raro nestas paragens e sobretudo naquele local da nossa missão.

A casa do catequista construida pouco a pouco

Terão caminhado alguns kms para acompanharem o prato de feijão e milho cozidos com esta pequena-grande carícia. Missão é sem dúvida um dar e receber. Dar e dar-se assim como Jesus; receber talvez não tanto valores materiais mas gestos muito simples e sinceros destas pessoas que valem por milhões! Gestos que demonstram que é no dar e receber que nós cristãos encontramos verdadeiramente a felicidade.


Com estudantes que me acompanharam hoje na "Boma"

Com um coração cheio de bênçãos de Deus e destes gestos tão simples e tão enriquecedores é feita a vida do missionário; sentimentos compensadores de outras tantas desventuras e dificuldades que também são parte do dia a dia da missão. Mas… como dizia, S. Daniel Comboni, “as obras de Deus nascem aos pés da Cruz” – lugar de desolação e sofrimento mas também lugar do nascimento da Vida plena em Deus!
Para todos vós uma boa continuação do mês missionário sempre sem se esquecerem que de facto, todos nós temos e devemos e somos de facto missionários do Amor do Pai.

Etiquetas: , , , , ,

3 Comments:

At 19 outubro, 2009 23:07, Blogger Nuno said...

A força missionária é contagiante... Força mano... Sempre em frente! És um exemplo para todos nós...

Abraço com saudades!

 
At 20 outubro, 2009 09:00, Blogger Sofia said...

É maravilhoso ler as tuas aventuras e perceber que estás feliz e realizado junto desse povo africano. As saudades são muitas mas ficam atenuadas pelas tuas palavras e fotografias. Obrigado pelo espírito missionário que incutes em nós...Beijinhos grandes desta tua cunhadita******

 
At 09 novembro, 2009 00:41, Anonymous Anónimo said...

Graças a pessoas como vós, que o nosso mundo será muito melhor e a esperança ganha um significado muito mais forte...Deus que vos proteja sempre.

São uns felizardos. Tenho pena de não ter tido a vossa coragem.

Felicidades.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home